segunda-feira, 18 de maio de 2009

Dance me to eternal sleep

 O tipo desce na estação de metro de NY vestindo jeans, t-shirt e boné, encosta-se próximo da  entrada, tira o violino da caixa e começa a tocar com entusiasmo para a multidão que por ali passa, bem na "rush hour" matinal.

Durante os 45 minutos que tocou o instrumento, foi praticamente ignorado pelos transeuntes. Ninguém sabia, mas o músico era Joshua Bell, um dos maiores violinistas do mundo, que executava peças consagradas num instrumento raríssimo, um Stradivarius de 1713, estimado em mais de 3 milhões de dólares.

Alguns dias antes Bell tocara no Symphony Hall de Boston, onde os melhores lugares custam a 
bagatela” de 1000 dólares.

A experiência, gravada em vídeo, mostra homens e mulheres de andar rápido, copo de café na mão, telemóvel ao ouvido, indiferentes ao som do violino. A iniciativa realizada pelo jornal The Washington Post era a de lançar um debate sobre valor, contexto e arte.

Conclusão: Compramos a forma e o marketing da apresentação e não o conteúdo. Só estamos acostumados a dar valor às coisas quando estão no contexto convencionado.

Bell era uma obra de arte sem moldura. Um artefacto de luxo sem etiqueta de glamour.

Houve somente uma mulher a reconhecê-lo...

O vídeo da apresentação no metro está no You Tube:


http://www.youtube.com/watch?v=hnOPu0_YWhw 

 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...